Sociedade

Projecto da central termo-eléctrica gera polémica em Porto de Mós

29 nov 2015 00:00

Oposição acusa executivo de “suspender” saneamento para avançar com “obra do regime”

projecto-da-central-termo-electrica-gera-polemica-em-porto-de-mos-2578
Maria Anabela Silva

Em discussão, estava o orçamento e as grandes opções do plano da câmara para 2016. Mas, o projecto de requalificação da antiga central termo-eléctrica acabou por dominar a última sessão da Assembleia Municipal de Porto de Mós, realizada na passada sexta-feira.

Das bancadas do PSD e do CDS-PP choveram críticas a esta “obra do regime”, como a apelidou Mário Cruz.

A oposição contestou a dimensão do investimento, que rondará os 4,5 milhões de euros e que poderá não ser comparticipado por fundos comunitários, com alguns deputados a acusaram ainda o executivo de estar a “suspender ou adiar” obras de saneamento, para poder avançar com a intervenção na central.

No entanto, tanto o presidente como o vice-presidente da câmara asseguraram que a obra, a avançar em 2016, não porá em causa o equilíbrio financeiro do município. Um dos mais críticos foi Júlio Vieira (PSD).

“Não há um único portomosense que não queira ver a central recuperada. A questão é que uma obra de quase cinco milhões de euros, num orçamento anual que, para despesas de capital, tem apenas cinco milhões, é uma pipa de massa”, afirmou o social-democrata.

Lamentando que, “ao contrário do que foi prometido”, o projecto não tenha sido debatido pela Assembleia Municipal, Júlio Vieira questionou ainda o facto de “mais de 50% do edifício ser para arquivo municipal”.

“É curto e preocupante (…). Não estou a ver alguém vir a Porto de Mós para visitar o arquivo”, disse. Por seu lado, Mário Cruz (CDS-PP) expressou receios de que esta “obra do regime” possa representar “uma pesada factura para o futuro, quer pelo custo de construção quer pelos gastos com a manutenção”.

“Que espólio terá Porto de Mós que não possa ser albergado de forma digna com a requalificação do actual museu?”, questionou, defendendo que faria mais sentido recuperar a central para “atrair jovens empreendedores, com o apoio de universidades”.

Confessando “não gostar” de ver o edifício da central “tal como está”, Gabriel Vala (PSD) questionou, contudo, a oportunidade do investimento. “Será esta a altura mais oportuna ou deveríamos adiar, mais uma vez, e optar por investimentos mais prioritários, como o saneamento e outros que ainda estão aquém do desejado, e esquecer eleições ou compromissos eleitorais”, defendeu.

Leia mais na edição impressa ou descarregue o PDF gratuitamente

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.