Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Pedro Lemos Cordeiro: "O essencial da arte não está fora, está em nós"
Foto de Ricardo Graça

Cultura

15 Maio 2017

Pedro Lemos Cordeiro: "O essencial da arte não está fora, está em nós"

Primeira exposição do arquitecto e pintor de Leiria acontece no Porto.

Vai com um objectivo definido para esta primeira exposição?
Não, foi uma casualidade, que era provável acontecer um dia.

Estes trabalhos pertencem a uma família, têm ligação entre eles?
Têm. A minha ideia era criar algo consequente e coerente. Mas não foi uma coisa muito preparada. Aliás, não foi nada. O que liga os vários trabalhos é o tema, a lentidão, que ao fim ao cabo é o oposto de velocidade, que foi o meu tema de tese de mestrado de arquitectura. E que tem a ver com este mecanismo em que às tantas já não somos nós a escolher o nosso ritmo, há um ritmo qualquer que escolhe por nós. 

A maioria de nós anda em excesso de velocidade?
Declaradamente. Há muitos textos sobre isso. É algo que nos afecta perigosamente. E os meus momentos com o desenho e a pintura são exactamente o oposto. A velocidade a mais faz com que as pessoas às vezes não tenham a calma suficiente para viver e estarem presentes no momento.

Quando está a pintar e a desenhar é um acto espontâneo ou de raciocínio?
É mais espontâneo. Quando estudei pintura, fiquei muito fixado no Kandinsky, porque ele fala de tentar encontrar dentro de nós o que nos interessa. Acredito que é em nós que encontramos a essência, não é nos outros nem no exterior. O Kandinsky diz exactamente isso: o essencial da arte não está fora, está em nós. O Homem é um ser artístico desde sempre. 

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Jornal de Leiria
RedacçãoJornal de Leiria redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador