Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Ondas de calor vão quadruplicar em Leiria até ao final do século
Até ao final do século, estima-se que o nível médio do mar no concelho suba até 82 centímetros (Fotografia: Ricardo Graça)

Sociedade

21 Janeiro 2016

Ondas de calor vão quadruplicar em Leiria até ao final do século

Até ao final do século, as ondas de calor vão quadruplicar em Leiria, onde o nível médio do mar poderá subir até 82 centímetros. As previsões constam do estudo que está a ser feito, com o objectivo de delinear a Estratégia Municipal de Adaptação

Nos últimos 15 anos, o concelho de Leiria registou 15 fenómenos climáticos, que tiveram grandes impactos, quer nos danos provocados quer na resposta que exigiram. Nesse levantamento, feito no âmbito do projecto ClimAdaPT.Local que envolve 26 municípios do País, foram consideradas, por exemplo, as cheias de 2002, os incêndios de 2005, o temporal de 2013 ou os galgamentos na Praia do Pedrógão ocorridos há cerca de dois anos.

Fenómenos que se irão intensificar no concelho nas próximas décadas, de acordo com o estudo das vulnerabilidades futuras apresentado na semana passada, no âmbito daquele projecto, que tem como objectivo delinear a Estratégia Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas.

As previsões apontam, por exemplo, para que, até ao final do século, o nível médio do mar no concelho suba até 82 centímetros, estimando-se que, até 2050, essa subida varie entre 17 e 38 centímetros, o que trará consequências para a Praia do Pedrógão, como o aumento da frequência dos galgamentos costeiros e da destruição dunar, que poderá provocar “danos em infraestrutras e edificações” e condicionar a época balear e o turismo.

De acordo com o levantamento das vulnerabilidades futuras do concelho, a temperatura média deverá, até ao ano de 2100, subir entre 1 a 4.º graus, o que fará aumentar a frequência das ondas de calor.

“Teremos mais dias com temperaturas superiores a 35.º graus e mais noites com temperaturas a ultrapassar os 20.º graus”, exemplificou Margarida Morais, chefe da Divisão do Ambiente da Câmara de Leiria, durante uma oficina para a apresentação dos trabalhos preliminares desenvolvidos pela equipa envolvida no projecto.

Segundo o estudo das vulnerabilidades, feito com base em modelos científicos de projecção, em Leiria as ondas de calor irão “triplicar”, no período de 2041-2070, e “quadruplicar” entre 2071-2100, comparativamente ao clima actual.

“Considera-se uma onda de calor quando, durante seis ou mais dias, temos temperaturas superioàs Alterações Climáticas, no âmbito do projecto ClimaAdapPT. Local, que, além dos 26 municípios, envolve 12 instituições portuguesas e e que é coordenado pela Fundação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Para Raul Castro, presidente da Câmara de Leiria, a participação do concelho neste projecto “é fundamental” para “ajudar a avaliar as vulnerabilidades locais, bem como o respectivo potencial de adaptação face às alterações climáticas”.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo

 

 


 

Maria Anabela Silva
Redacção Maria Anabela Silva anabela.silva@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador