Sociedade

Marinha Grande projecta cafetaria para zona de ruínas do século XVIII

22 mar 2018 00:00

Autarquia quer preservar património junto ao Parque da Cerca

marinha-grande-projecta-cafetaria-para-zona-de-ruinas-do-seculo-xviii-8378
Daniela Franco Sousa

As traseiras da Biblioteca Municipal da Marinha Grande, onde estão localizadas ruínas de fornos de vidraça do século XVIII, vão ser alvo de intervenção, anunciou Cidália Ferreira, presidente da Autarquia, na última Assembleia Municipal.

Junto da Câmara, o JORNAL DE LEIRIA apurou que o projecto de preservação, que está a ser feito por uma equipa técnica da própria Autarquia, "prevê a instalação de um equipamento de apoio ao Parque da Cerca que se traduzirá numa cafetaria/ restaurante/esplanada" bem como "a requalificação da própria Biblioteca Municipal e espaços públicos envolventes".

Segundo o Município, esta intervenção "faz parte dos projectos candidatados no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, no que respeita à regeneração urbana nos limites da Área Reabilitação Urbana". E a Câmara "espera poder dar início à sua execução antes do final do presente ano, de acordo com as regras próprias do financiamento".

Ouvidos pelo JORNAL DE LEIRIA, historiadores, arquitectos e arqueólogos são unânimes e recomendam prudência para manter a “herança da génese marinhense”.O historiador Gabriel Roldão realça que as ruínas em causa pertencem ao forno de vidraça mandado construir pelo irlandês John Beare, aquando da fundação da Real Fábrica de Vidros, em 1748.

Dada a relevância deste património para a história do concelho, "o local deveria ser realmente preservado e deveria fazer-se ali uma investigação arqueológica de modo a perceber-se o que pode estar soterrado", defende o investigador, para quem ainda é provável encontrar ali ferramentas e fragmentos de vidro.

O arquitecto Pedro Correia, que pesquisou sobre o assunto, explica que, depois de um período de desactivação, aquela fábrica, hoje em ruínas, retomou a laboração em 1769, pela mão de William Stephens. E a sua produção de vidraça, assegurada por 76 trabalhadores, destinava-se então à reconstrução de Lisboa, afectada pelo terramoto de 1755.

A ser feita qualquer intervenção no local, defende Pedro Correia, deve ser realizada com o maior tacto, no sentido de preservar este património de grande valor, sublinha o arquitecto da Marinha Grande.

Esta é a posição partilhada pela arquitecta urbanista Ana Bonifácio: "qualquer intervenção naquele lugar sensível deve atender, quanto às suas funções, a necessidades efectivas da população e, quanto à forma, ao facto de estarmos perante património da cidade que é testemunho de uma História singular de crescimento urbano no contexto nacional."

Embora não defenda normalmente "atitudes excessivamente conservadoras", a arquitecta entende que, "perante aquelas que são as heranças da génese marinhense se deverá acautelar uma intervenção justa, que faça jus ao território e que possa acrescentar algo a este espaço diferenciado da antiga fábrica".

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO