Sociedade

“Já lá vai o tempo em que as pessoas tinham vergonha de falar de turismo religioso”

6 abr 2017 00:00

Domingos Neves, presidente da Aciso, fala da importância de Fátima no panorama do turismo religioso a nível mundial

FOTO: Nuno Brites
Raquel de Sousa Silva

Que impactos se podem esperar da visita do Papa Francisco a Fátima, para comemorar o centenário das aparições, sobretudo quando diz que vem como peregrino?

A vinda do Papa está a provocar uma grande adesão de peregrinos, nacionais e internacionais. Nos dias 12 e 13 de Maio é esperado um milhão de peregrinos. Nas grandes peregrinações a Fátima esse número ronda os 500 mil. Ou seja, este ano vamos ter o dobro. O que é que tal implica? Uma grande preparação. Embora Fátima já esteja habituada a grandes peregrinações, é preciso um reforço da capacidade.

Há novos espaços hoteleiros a abrir...

Sim, um novo espaço e uma ampliação de um hotel já existente. Isto revela a aposta dos hoteleiros em ter condições nas suas unidades e em receber com qualidade. Fátima tem um preço médio anual de 59 euros por noite, o que é francamente baixo, comparativamente com qualquer outra cidade do País. Fruto da pressão da procura, é verdade que este ano os preços deverão subir na ordem dos 20%, mas não tanto como tem referido a comunicação social. Casos pontuais não podem ser considerados regra.

Mas basta procurar online para ver que há quartos em casas particulares, mas também em hotéis no centro de Fátima, por valores que ascendem a milhares de euros…

O aumento da procura tem esse efeito, aqui e em qualquer parte. Qualquer evento que ocorra em Lisboa ou no Algarve faz com que os preços dos hotéis subam. É natural que isso aconteça. Não pode ser considerado um aproveitamento o facto de nestes dias haver um aumento substancial de preços. Ele ocorre pontualmente, mas temos de considerar que a média anual de preço por noite é muito baixa. E isso deve ser tido em conta. Além de que esse preço médio anual não acompanha a qualidade dos hotéis em Fátima, que é muito boa. É mesmo muito acima da de algumas cidades a nível nacional.

O que leva uma pessoa a pagar mil euros, ou mais, por uma noite em Fátima quando vem cá o Papa?

Eu, se quiser ir passar uma semana a uma das zonas mais turísticas do Algarve em pleno mês de Agosto, por exemplo, pago por isso. Veja-se o que aconteceu em Lisboa por ocasião de grandes eventos, como a Liga dos Campeões. Pagaram-se dois mil ou 2500 euros por uma noite num quarto. As pessoas estão dispostas a pagar mais para vir a Fátima. Por outro lado, este ano, todos os hotéis num raio de 50 a 100 quilómetros estão a beneficiar da visita do Papa. Mas não me parece que seja um aproveitamento por parte dos hoteleiros de Fátima o facto de estarem a subir um pouco mais o preço dos quartos nesta altura.

Preocupam-no eventuais incidentes que ameacem a segurança durante a visita do Papa?

Há cerca de sete meses que existe uma comissão que envolve todas as entidades relacionadas com a segurança, e da qual a Aciso também faz parte. Tudo está preparado para garantir a segurança em Fátima quando o Papa vier. Naturalmente que, em qualquer parte do Mundo, em dias de grande movimentação pode ocorrer o que menos se espera. Mas, sinceramente, estou confiante que não vai acontecer nada.

Fátima é o 'Altar do Mundo', como a Igreja costuma dizer, mas também um enorme centro de negócio…

Como zona turística que é, Fátima não deixa de ser um ponto de negócios, como qualquer outra zona turística a nível mundial. Quem vem a Fátima quer levar uma recordação. Ficaria muito triste se não houvesse. Quer ficar num hotel com qualidade. Não pode ser considerada só um centro de negócios, é também um centro turístico e religioso. Podemos evidenciar a aposta forte que o Governo está a fazer no turismo religioso em Portugal. Há dois anos foi a primeira vez que foi publicado um decreto em que este foi considerado produto estratégico para Portugal. A Secretária de Estado do Turismo, em consonância com o presidente do Turismo do Centro e do presidente do Turismo de Portugal, tem tido viva voz em fazer passar a mensagem de que o turismo religioso é um produto importante para a economia de Portugal. Já lá vai o tempo em que as pessoas tinham alguma vergonha de falar de turismo religioso. Hoje esse tabu não existe. Em todos os estratos sociais não há dúvida em assumir que se vai a Fátima, que se vai peregrinar. Vão estar em Fátima nos dias 12 e 13 de Maio individualidades e entidades nacionais e internacionais, chefes de Estado, o que é mais do que evidência de que o turismo religioso tem interesse a nível mundial.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

EVENTOS