Sociedade

Governo vai priorizar obras mais urgentes na Escola Afonso Lopes Vieira

18 jan 2019 00:00

Deputados do PS anunciam resposta da tutela.

governo-vai-priorizar-obras-mais-urgentes-na-escola-afonso-lopes-vieira-9739
Jacinto Silva Duro

O Ministério da Educação revelou que vai priorizar “as obras consideradas mais urgentes” na Escola Secundária Afonso Lopes Vieira, em Leiria, “encontrando-se em análise, de resto, a possibilidade de uma intervenção infra-estrutural ser considerada no âmbito da reprogramação de fundos referente ao programa Portugal 2020”, referem os deputados eleitos por Leiria numa nota de imprensa. 

Segundo Odete João, Margarida Marques e António Sales, em resposta a uma pergunta feita no mês de Outubro, a tutela reconheceu as “necessidades apresentadas” pela escola em questão.

“O Ministério da Educação, no âmbito da planificação do investimento em infra-estruturas escolares, encontra-se permanentemente a desenvolver esforços que permitam modernizar as instalações das escolas, dotando-as das estruturas necessárias à boa execução do seu projecto educativo”, reiterou.

Os socialistas tinham alertado o Governo para o “conjunto de problemas nos blocos de aulas, que exige uma intervenção urgente” na ESALV, apesar de o Executivo já ter executado obras de melhoramento neste estabelecimento de ensino, nomeadamente “no pavilhão gimnodesportivo da Gândara dos Olivais, que serve a ESALV, no valor de cerca de 250 mil euros com uma cobertura nova, um sistema de iluminação mais eficiente, pintura interior e piso requalificado”.

“A cozinha foi também totalmente renovada e o amianto dos passadiços retirado. Todavia, os blocos de aulas não sofreram qualquer requalificação numa escola que foi inaugurada em 1982”, afirmaram.

Os deputados entendem, contudo, que o Governo tem de dar continuidade às obras urgentes: “Os balneários do pavilhão gimnodesportivo estão degradados, as casas de banho dos alunos estão em mau estado e os sanitários a precisar de reposição. É urgente a reestruturação da rede eléctrica e informática", uma vez que "a existente é insuficiente e a ineficiência energética é um problema grave, com custos acrescidos".

"Existe desperdício de água, por deficiência nas canalizações e das torneiras existentes. Os cinco blocos de aula têm, ainda, telhados de fibrocimento”.