Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Dívida para financiar políticas distributivas bloqueou crescimento
Foto: Raquel de Sousa Silva

Economia

20 Março 2017

Dívida para financiar políticas distributivas bloqueou crescimento

Peugeot 3008

Conferência da Missão Crescimento em Leiria

Por que razão nas duas últimas décadas a economia portuguesa cresceu a “ritmos miseráveis”? Para a Missão Crescimento, tal deve-se ao sistema político, que “bloqueou a sociedade”.

O diagnóstico foi apresentado na semana passada em Leiria pelo presidente daquele movimento, Jorge Marrão, que disse que o País se endividou para “fazer face a políticas públicas de distribuição de rendimentos, o que teve efeitos negativos”.

“Temos uma classe política que tem uma preferência distributiva, o que impede que os recursos sejam dedicados a outros aspectos relacionados com o crescimento”, frisou o responsável durante a conferência, lembrando que essas políticas foram financiadas com “dinheiro dos outros” e que o “endividamento massivo gerou problemas no crescimento”.

Por outro lado, também as empresas se endividaram. Porquê? “Não formaram capital suficiente” e “fazia sentido” recorrer à banca, que “financiava a sociedade a juros baixos”.

Só que a banca já não consegue financiar a economia como antes e é preciso que haja políticas públicas que incentivem mais a poupança e menos o consumo, defendeu Jorge Marrão.

Levantada por um elemento da assistência, a legislação laboral foi um dos assuntos em discussão na conferência. Rui Martinho, bastonário da Ordem dos Economistas, lembrou que este é um dos aspectos frequentemente apontados como constrangimento em inquéritos realizados junto das empresas.

Assim como o funcionamento da Justiça. Porquê ter funcionários públicos a trabalhar 35 horas, quando nas empresas privadas se trabalham 40 ou mais? A questão foi lançada por Jorge Santos, presidente da Nerlei, que lembrou que “o Estado social é importantíssimo, mas se não houver crescimento não se consegue pagar”.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Raquel Sousa Silva
Redacção Raquel Sousa Silva raquel.silva@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador

Arquivo Livraria

Publicações
relacionadas -