Sociedade

Associação alerta para avanço da duna no Samouco, que duplicou desde o incêndio de 2017 no Pinhal de Leiria

8 mai 2021 18:54

Visita ao terreno expõe avanço da duna a um ritmo de 6,5 metros por ano

associacao-alerta-para-avanco-da-duna-no-samouco-que-duplicou-desde-o-incendio-de-2017-no-pinhal-de-leiria
Acréscimo quer que zonas de protecção do Pinhal de Leiria sejam também uma prioridade
Ricardo Graça/Arquivo

O avanço da duna litoral no Samouco, entre São Pedro de Moel e Praia da Vieira, que era de três metros por ano, em média, depois do incêndio de 2003, mais do que duplicou desde o incêndio de 2017 na Mata Nacional de Leiria, e ocorre, actualmente, a um ritmo de 6,5 metros por ano, avisa a associação Acréscimo, que hoje promoveu uma visita ao local.

Mais de três anos volvidos, “não há programa de monitorização da duna frontal, o que é preocupante”, alerta Paulo Pimenta de Castro, da Acréscimo – Associação de Promoção ao Investimento Florestal.

“É ali que se vai travar a grande batalha em relação ao avanço da duna e à subida dos oceanos”, explica.

No Samouco, talhão 145, está localizada, segundo a Acréscimo, “a área mais importante da Mata Nacional de Leiria para a protecção e conservação da biodiversidade”, classificada como biótipo Corine pela União Europeia.

É uma faixa que decorre de intervenção artificial de engenharia e silvicultura realizada no século XIX, planeada com o objectivo de proporcionar condições para o melhor desenvolvimento dos talhões de produção de pinheiro bravo no Pinhal de Leiria.

“Seria importante intervir prioritariamente nesta zona” e “utilizar o mesmo estratagema que foi utilizado no passado”, há cem anos, diz Paulo Pimenta de Castro, com soluções leves quanto ao impacto no terreno.

Segundo o dirigente da Acréscimo, “alguns pontos sensíveis do ponto de vista da erosão eólica”, sinalizados este sábado, facilitam o avanço da duna. Consequências? “Voltarmos a ter ali uma área de deserto, uma área dunar. O que obviamente vai fazer perigar a área de produção”, conclui.

Paulo Pimenta de Castro afirma que desde o incêndio de Outubro de 2017 a zona de protecção da Mata Nacional de Leiria “tem sido preterida”, quando “devia ser prioritária”.

No Samouco, a Acréscimo denuncia, também, a proliferação de pragas e doenças. Exemplares que “não arderam no incêndio de 2017 estão praticamente todos secos”, situação potenciada pela “demora na remoção de arvoredo ardido”.

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.