Jazz procura reconhecimento e espaço merecidos Jazz procura reconhecimento e espaço merecidos Jazz procura reconhecimento e espaço merecidos

Cultura

17 Janeiro 2019

Jazz procura reconhecimento e espaço merecidos

Amor | Não é uma música de massas, mas também não é essa a sua vocação. Todavia, há cada vez mais gente a ouvir jazz e mais artistas a interessarem-se por ele.

É uma sonoridade pela qual é necessário sentir verdadeiro amor para ser, verdadeiramente, apreciada.

Esta semana, o Festival Música em Leiria, que irá decorrer entre 23 de Março e 25 de Abril, anunciou que uma das suas apostas para 2019, além da dança, bossa nova e música clássica, será o jazz.

Enquanto isso, em Valado dos Frades, o 22.º Festival de Jazz, um dos mais antigos do País, já tem data marcada para Maio, e, em Porto de Mós, o Festival de Jazz do Juncal, que acontece entre 15 e 23 de Fevereiro, também já tem o cartaz quase fechado.

Em Leiria, a Orquestra de Jazz esgota concerto atrás de concerto e para finalizar, Interchange, o terceiro disco do compositor, professor do Hot Club e líder da Orquestra Jazz de Leiria, César Cardoso, foi eleito pela revista norte-americana Downbeat como um dos melhores álbuns de iazz de 2018.

Na região, esta música conta com muitos executantes e com vários festivais e orquestras. Não é uma música para quem não está disposto a investir tempo e conhecimento, mas, quando nos conquista, é para sempre.

Três mil acordes para três pessoas
Há quem brinque dizendo que o rock consiste em três acordes tocados para três mil pessoas, enquanto o jazz são três mil acordes tocados para três pessoas. Generalizações como esta, que colocam, frente a frente, a dificuldade e exigência de uma música em comparação com outra, têm sempre uma boa dose de exagero e exploram o lado mais humorístico de ambas as disciplinas.

“Não deixam, contudo, de ter alguma verdade. É verdade que temos menos público e que o jazz é mais complexo de tocar e amar”, diz César Cardoso, adiantando que o pop-rock tem, efectivamente, menos acordes e, por isso, “entra, mais facilmente, na cabeça do público”.

“Em termos de espectadores e de popularidade, jamais seremos algo para as massas ou poderemos concorrer contra o pop-rock, embora haja cada vez mais gente a tocar e a seguir o jazz”, admite. O interesse pela música também está ligado à corrente jazzística que se apresenta ao público.

Paulo Santo, vibrafonista natural de Leiria, refere que “o público é pequeno, mas constituído por verdadeiros conhecedores”. Não raro, explica, há concertos com bons nomes e poucos espectadores como os há esgotados por apresentarem artistas que, naquele momento, têm alguma fama.

“É verdade que os ouvintes são, agora, mais críticos, mas continuam a ir aos concertos não porque conhecem, mas porque lhes dizem que este ou aquele músico é bom”, diz, lamentando que, boa parte das pessoas que comparece nas salas, são outros músicos ou amigos dos músicos em palco. “Enquanto não houver lá pessoas que se interessem, mesmo não sendo músicos, o circuito será sempre pequeno”, sumariza.

Pedro Nobre, músico na Orquestra Jazz de Leiria, entende que, mesmo com bons músicos de jazz naturais da região, o público, a crítica e as entidades raramente lhes reconhecem valor. “Há cada vez menos condições para os músicos se apresentarem ao público e quando há, a crítica pouco ou nada escreve sobre o assunto. Há muita gente da região que gosta e consome jazz, mas, para o fazer, vai a Lisboa.”

O pianista diz que Leiria continua a crescer culturalmente e que a Orquestra Jazz tem tido um papel fundamental no que ao jazz diz respeito, mas que não chega. “Faltam espaços, agendas e condições financeiras para que, artisticamente, o público e a crítica vivam o jazz mais de perto.”

Dar mais visibilidade ao jazz
A comunicação social tem de dar uma ajuda para se alcançar novos públicos, entende o pianista Daniel Bernardes. Não obstante a divulgação da Antena 2, “a realidade mostra uma fragmentação maior nos interesses, pelo que uma programação mais ecléctica tenderá a chegar a mais gente, nesse sentido, os canais mainstream, deveriam estar mais atentos ao que se passa no País”.

Bernardes defende também que, a nível académico, deve acontecer uma reforma estrutural dos programas de ensino musical. “Estamos a formar profissionais do ensino nas áreas da música de tradição europeia e do jazz, mas temos de pensar a integração dos músicos nos níveis elementares, que não está organizada de forma estrutural. Muitos músicos de outras áreas, têm-se interessado pelo jazz e acredito que tenha havido influência deste nas suas práticas artísticas e pedagógicas, mas é preciso colocar todos estes músicos a dialogar e a construir em conjunto estratégias pedagógicas de forma a proporcionar uma experiência de aprendizagem mais rica, e estimulante.”

É verdade que os apreciadores de jazz se encontram nos centros urbanos? A quantidade de espectáculos a acontecer nas grandes cidades pode levar a acreditar que sim, mas há exemplos que escapam a essa lógica. Um deles é o Festival de Jazz de Valado dos Frades, organizado pela batuta paciente e melómana de Adelino Mota.

Já na cidade do Lis, os concertos da Orquestra de Jazz de Leiria, colectivo que, em 2018, fez a sua estreia internacional em Valladolid (Espanha), são sempre muito concorridos pelo público, atraído pelo jazz e pelos convidados que a formação convida para os seus espectáculos.

No dia 2 de Março, por exemplo, a orquestra, que está a equacionar gravar, no futuro, um álbum, vai apresentar-se no Teatro José Lúcio da Silva com Jorge Palma e já há poucos lugares.

“A maior relação que se possa estabelecer entre os centros urbanos e o jazz, pode ter origens históricas, mas resume-se essencialmente a questões económicas. A provar isso está Valado dos Frades, onde uma comunidade assídua adere em força aos concertos tornando-o num dos mais apetecíveis no País. Onde quer que seja feito, o jazz se for feito de forma verdadeira e honesta, vai chegará às pessoas”, entende Daniel Bernardes.

Apreciar jazz parte de algo real em direcção a uma experiência quase metafísica. Aos espectadores é proposto que se deixe levar pela música e que abram o âmago do seu ser, de modo a alcançarem algo que o músico descreve como uma “profundidade espiritual”.

“Um flow musical, se quisermos. O público sente isso também, há uma ligação humana que se estabelece através da música e que vai além de qualquer aspecto social ou cultural. É algo belo e único”, garante. Já Paulo Santo aprofunda o sentimento e admite que o jazz é mesmo uma “questão de amor”.

“Desde os dez anos que sou apaixonado por música e fui abrindo horizontes, procurando sempre coisas muito específicas”, afirma, salientando que, no jazz, a evolução o levou a perceber que expressar-se através daquela música é tão natural quanto falar. “Dado o mercado que temos em Portugal, tem mesmo de ser pela paixão”, desabafa.

“Uma maneira de pensar, sentir e criar a música”
Daniel Bernardes que é natural de Alcobaça e conta já com um interessante percurso a nível nacional e internacional, entende que “o jazz não é um estilo mas uma postura perante a música”.

“É uma maneira de pensar, sentir e criar a música. Dentro desta postura cabem músicos com  [LER_MAIS] sensibilidades muito diferentes que podem apelar a públicos muito diferentes”, explica, sublinhando que um dos seus aspectos fundamentais é a partilha e que o aparecimento de licenciaturas na área contribuíram para, acima de tudo, melhorar os conhecimentos da estética, pelos alunos.

“Os cursos superiores que entretanto abriram, potenciaram a convivência entre músicos, professores e alunos, de diferentes vertentes musicais”. Já César Cardoso, que é natural do concelho de Porto de Mós, diz que “é uma música onde podemos dar mais de nós, onde há maior criatividade, onde se pode escrever mais… embora obrigue a um conhecimento aprofundado da parte teórica.”

Tal como Bernardes, Cardoso é professor no Hot Club e começou por estudar música clássica no Orfeão de Leiria.

Em maré de estreias, Pedro Nobre, natural da Marinha Grande, tem programada a apresentação de um álbum no Festival de Jazz do Valado, em Maio, com o seu Pedro Nobre Quinteto e alinha também pela tese do “amor profundo pela arte.

Cláudia Franco
Clube de jazz precisa-se

“Falta um espaço em Leiria para espectáculos. Um clube onde possa haver concertos de música jazz”, entende Cláudia Franco. A cantora adianta que um local assim iria facilitar a presença de mais bandas e aumentar a quantidade de público, além de permitir aos aspirantes a músicos de jazz terem um sítio onde aprender e evoluir.

Natural de Porto de Mós, iniciou-se na música num festival, no 5.º ano de escolaridade e, aos 20 anos, já cantava acompanhada por uma banda. Hoje, alia a carreira de docente de canto jazz, em Leiria e Lisboa, com as idas a palco e irá apresentar o seu segundo disco, só de originais, durante o Festival Música em Leiria 2019.

“No jazz, agrada-me o lado criativo da interpretação. Há uma base de onde todos partimos, mas, depois, podemos ‘embelezar’ a música, individual ou colectivamente, recorrendo à nossa criatividade. Os concertos nunca são iguais”, explica, reconhecendo que, hoje, o jazz não é tão popular como há 50 ou 60 anos, quando se saía à noite para “dançar jazz”.

“É como se fosse uma moda, que vai e vem. Na verdade, à excepção da clássica, a música actual origina toda no jazz.”

 

Jacinto Silva Duro
Redacção Jacinto Silva Duro jacinto.duro@jornaldeleiria.pt
© Jorlis - Todos os direitos reservados