Música em Leiria arranca em Março com nomes internacionais Música em Leiria arranca em Março com nomes internacionais Música em Leiria arranca em Março com nomes internacionais

Cultura

23 Fevereiro 2018

Música em Leiria arranca em Março com nomes internacionais

Festival | Já com 36 edições consecutivas, evento quer ser marca nacional

O 36.º Festival Música em Leiria foi apresentado na segunda- feira e conta com uma vertente mais internacional, marcada pela presença de dois projectos e artistas estrangeiros - Cantata Keteva e a cantora alemã Ute Lemper. Além disso, o evento vai mudar de data.

Tem sido realizado durante Junho e Julho, mas, este ano, será entre 16 de Março e 20 de Abril. “Foi uma decisão tomada para diminuir a carga de actividades artísticas que acontecem nos meses de Verão”, explicou o presidente da Direcção do Orfeão de Leiria, entidade que organiza o festival.

Acácio de Sousa referiu que a mostra de música coincidirá, em parte, com a Páscoa, período que o responsável entende ser “mais morno” em programação artística. Embora se realize, em parte, durante a Quaresma, esta não teve uma influência grande no conjunto de artistas e formações convidadas, mesmo assim, o director artístico do festival, António Vassalo Lourenço, admite que não se alheou completamente do motivo religioso.

No dia 31 de Março, a Igreja de São Francisco, em Leiria, receberá a Cantata Ketevan, dirigida por Vasco Negreiros que compôs a obra durante uma residência artística de seis meses em Panjim, na Índia, com base em textos latinos e sânscritos, combinando melodias de origem gregoriana com ragas hindustânicas, recorrendo a instrumentos e músicos europeus e asiáticos.

“É música que toca a espiritualidade”, diz o director artístico, dando também o exemplo da Missa Brevis, que será apresentada no dia 7 de Abril, na Igreja do Mosteiro da Batalha. Projecto original de João Gil e inspirado em temas musicais a partir de textos litúrgicos em latim, conta com a participação especial de Luís Represas, Manuel Rebelo, Manuel Paulo e Diana Vinagre.

Este será um festival com espectáculos candidatos a prémios e várias estreias em solo nacional. O concerto Agora Muda Tudo, que abrirá o festival, no dia 16 de Março, por exemplo, foi nomeado para o Prémio Melhor Trabalho de Música Erudita, da Sociedade Portuguesa de Autores.

Conta com música original de Nuno Côrte -Real, voz de Maria João, acompanhada pelo Ensemble Darcos e canções originais, para voz e ensemble, criadas a partir de versos de José Luís Peixoto. Haverá também uma ante-estreia de um espectáculo de dança.

Olga Roriz e a sua companhia mostrar-se-ão no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, no dia 14 de Abril, com o espectáculo de homenagem a Ingmar Bergman, A meio da noite. A estreia será no Porto, semanas depois.

Entre os concertos mais aguardados, conta-se o do trio Portugoesas, que passará pela Casa da Cultura-Teatro Stephens, da Marinha Grande, no dia 6 de Abril. Esta abordagem erudita do cancioneiro, tradicional da música goesa, realizada por um ensemble composto por Carolina Figueiredo, Verónica Milagres e Carlos Garcia, tem merecido lotações esgotadas por onde tem passado.

A encerrar o festival, a cantora Ute Lemper apresentar- se-á no Teatro José Lúcio da Silva, no dia 20 de Abril, com as canções de Marlene Dietrich, Edith Piaf, Jacques Brel, Léo Ferré, Jacques Prevert, Nino Rota, Astor Piazzolla, entre outros.

Festival é evento nacional de topo
A imposição do Festival Música em Leiria como “marca da região e do País” é outro dos  [LER_MAIS] objectivos traçados para o evento, a partir deste ano. “Trinta e seis anos demonstram que este é um evento de topo”, entende Acácio de Sousa.

No entanto, o evento não perde de vista as suas origens e continuará a conciliar a presença dos artistas locais, com os estrangeiros, além de se realizar, não apenas em Leiria, mas sob um ponto de vista de coesão regional, na Batalha e Marinha Grande, além de ir às freguesias e de, em modo “extra festival”, marcar presença nos concelhos mais afectados do norte do distrito pelos incêndios do Verão passado, com música juvenil.

Destaque para a actuação da Orquestra Sinfónica de Leiria, dirigida pelo maestro Pedro Neves, no dia 15 de Abril, na Igreja de São Francisco em Leiria, executando obras de António Vivaldi, Samuel Barber e a sinfonia do Adeus, de Joseph Haydn.

Esta edição do Música em Leiria será, segundo o presidente do Orfeão, “um pouco mais cara”, reflectindo as escolhas na programação deste ano. O custo total rondará os 100 mil euros, que serão suportados pelo Orfeão, parceiros e patrocinadores, conforme referiu Acácio de Sousa.

Os bilhetes para os concertos de abertura e encerramento estão à venda na bilheteira do Teatro José Lúcio da Silva e online.

Gonçalo Lopes abre portas a parcerias
Num discurso muito voltado para a região, parcerias regionais e trabalho em rede, o vereador da Cultura de Leiria, Gonçalo Lopes, aproveitou a ocasião e a presença dos vários parceiros regionais, autarcas da Marinha Grande e Batalha, e do presidente do Instituto Politécnico de Leiria, para elogiar o que entende ser uma "programação cultural de alta qualidade".

O autarca afirmou que a coesão e trabalho em rede, de que "o Orfeão é exemplo", está presente em muitas mais instituições, deixando no ar um apelo a outras parcerias.

"O festival é um sinal de muita força do Orfeão, no contexto regional da cultura e um exemplo de persistência e de melhoria da performance cultural, com uma visão abrangente do território."
 

PROGRAMA

MARÇO
Sexta-feira, 16, 21:30 horas
Agora Muda Tudo, concerto de abertura – Teatro José
Lúcio da Silva (Leiria)
(Maria João e Ensenble Darcos, com direcção de Nuno
Côrte-Real, e versos de José Luís Peixoto)
Sábado, 24, 21:30 horas
Requiem, de Verdi, pela Orquestra Filarmonia das
Beiras e Coro do Departamento de Comunicação e
Arte da Universidade de Aveiro – Teatro José Lúcio da
Silva (Direcção de António Vassalo Lourenço)
Quarta-feira, 28, 21:30 horas
Orquestra Estágio de Sopros de Leiria – Teatro José
Lúcio da Silva (Direcção de André Granjo)
Sábado 31 de Março, 17 horas
Cantata Ketevan – Igreja de São Francisco (Leiria)
(Jorge Garcia, Rupesh Gawas, com o Coro do Orfeão
de Leiria. Direcção de Vasco Negreiros)

ABRIL
Quarta-feira, 4, 21:30 horas
Furum Fum Fum, chorinhos com sotaque português – Teatro Miguel Franco (Leiria)
Sexta-feira, 6, 21:30 horas
Portugoesas, música goesa tradicional – Casa da Cultura-Teatro Stephens (Marinha Grande)
(Verónica Milagres, Carolina Figueiredo, Carlos Garcia)
Sábado, 7, 21:30 horas
Missa Brevis, de João Gil, pelo Ensenble Cantante – Igreja do Mosteiro da Batalha
(Luís Represas, Manuel Rebelo, João Gil, Manuel
Paulo e Diana Vinagre)
Quarta-feira, 11, 21:30 horas
Quinteto de Metais de Leiria Augusto Baschera e Paulo Bernardino – Auditório da ESECS (Leiria)
Sábado, 14, 21:30 horas
A Meio da Noite, homenagem a Ingmar Bergman - Antestreia – Teatro José Lúcio da Silva (Companhia Olga Roriz)
Domingo, 15, 17 horas
Orquestra Sinfónica de Leiria – Igreja de São Francisco
(Direcção de Pedro Neves)
Sexta-feira, 20, 21:30 horas
Concerto de Encerramento com Ute Lemper – Teatro José Lúcio da Silva
Jacinto Silva Duro
Redacção Jacinto Silva Duro jacinto.duro@jornaldeleiria.pt
© Jorlis - Todos os direitos reservados