Empresário de Leiria suspeito de fraude na obtenção de subsídios

Economia

25 Maio 2017

Empresário de Leiria suspeito de fraude na obtenção de subsídios

Operação Inovar, liderada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção, investiga um esquema para angariar fundos comunitários que terá lesado o Estado em cerca de 5 milhões de euros.

Luís Lourenço, administrador da Silora, empresa de consultoria de Leiria, é suspeito de burlar o Estado em mais de cinco milhões de euros, no âmbito dos fundos comunitários provenientes do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).

O empresário terá sido detido pela Polícia Judiciária e, na terça-feira, os inspectores estiveram várias horas na empresa a recolher material probatório, numa acção liderada pelo juiz Carlos Alexandre, que abandonou o local perto das 22 horas. Pouco depois, vários inspectores da PJ saíram da Silora carregando diversos caixotes e pastas.

Em comunicado, a PJ informa que investigação foi desencadeada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), no âmbito de um inquérito dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP). Foram detidos um homem e uma mulher, pela presumível prática dos crimes de fraude na obtenção de subsídio, desvio de subsídio e falsificação de documentos.

Segundo o Correio da Manhã, os detidos serão Luís Lourenço e a sua contabilista. Alvo de buscas da PJ foi também a empresa Perfitec, revestimentos metálicos, em Leiria, cujo responsável recusou prestar declarações ao Jornal de Leiria. Também a Ambipombal, gestão global de resíduos, teve a visita dos inspectores.

A telefonista que nos atendeu afirmou que sobre o assunto das buscas não estariam disponíveis para falar com o Jornal de Leiria. No decurso da operação, que envolveu 160 elementos da PJ, um juiz de instrução criminal e uma procuradora da República, foram realizadas 53 buscas nas áreas de Leiria, Coimbra, Lisboa e Porto, das quais 20 domiciliárias, duas em escritórios de advogados e 31 não domiciliárias.

Foram também realizadas duas buscas não domiciliárias na Alemanha. Foram ainda constituídos 21 arguidos, dos quais 12 são administradores e gerentes de empresas e nove são pessoas colectivas. A PJ apreendeu também 12 veículos de marcas de gama alta, entre as quais um Porsche, BMW, McLaren, Maserati e Audi.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Elisabete Cruz
Redacção Elisabete Cruz elisabete.cruz@jornaldeleiria.pt
© Jorlis - Todos os direitos reservados